A imagem mostra os indicados no Guia Garfo de Ouro

Alumni da UniMAX é chef do único restaurante de Indaiatuba indicado no Guia Garfo de Ouro

Danilo Zequini Abrantes, chef do Defumatta Gastrobar, é formado em Gastronomia pela UniMAX em Indaiatuba. Ele chefia o restaurante desde março de 2022. O Certificado de Excelência premia os estabelecimentos do setor de gastronomia do país que sempre recebem avaliações positivas da equipe de consultores do Guia Garfo de Ouro. O restaurante Sal, do chef Henrique Fogaça, é um dos que possuem o certificado Garfo de Ouro, por exemplo.

E se você estivesse sendo avaliado sem saber? Qual seria o resultado? Foi o que aconteceu com o alumni de Gastronomia da UniMAX (Grupo UniEduK), Danilo Zequini Abrantes. Ele é chef do restaurante Defumatta Gastrobar em Indaiatuba, que passou por uma avaliação anônima e foi indicado no Guia Garfo de Ouro.

De acordo com o Guia, criado em 2013, o certificado de excelência premia os estabelecimentos do setor de gastronomia do país que sempre recebem avaliações positivas da equipe de consultores do Guia Garfo de Ouro.

Segundo eles, os vencedores do certificado de qualidade gastronômica apresentam um serviço e uma qualidade diferenciada em relação aos restaurantes, bares e pontos de venda de comidas.

O restaurante Sal, do Henrique Fogaça, é um dos que possuem o certificado Garfo de Ouro, como exemplo. Em termos práticos, é como um Guia Michelin. Em Indaiatuba, não há nenhum restaurante premiado e o que eu chefio é o primeiro indicado”, diz Danilo.

O alumni revela o que representa ter o restaurante em que trabalha indicado. “Por ser o primeiro e único em Indaiatuba a receber essa indicação até então, fico muito lisonjeado e feliz com o reconhecimento do esforço e aplicação de todos os funcionários da casa, no salão, na produção, na gestão e na cozinha. Este prêmio não é um reconhecimento individual, e sim do trabalho de um grupo unido e focado em fazer o melhor possível, sempre”.

Avaliação do Guia Garfo de Ouro

De acordo com os organizadores, o sistema de avaliação de estabelecimentos do Guia Garfo de Ouro está apoiado em quatro conceitos principais:

1) os testes são anônimos: após pagar a conta, o repórter pode ou não se identificar;

2) jamais aceitam cortesias – todas as despesas são pagas pelo site;

3) todo teste resulta de uma avaliação nos principais Guias do país ou em um relatório com comentários e notas acerca dos mais importantes itens envolvidos numa refeição;

4) A avaliação do prato se desdobra em sete quesitos, com pesos diferentes: apresentação, temperatura, qualidade dos ingredientes, cozimento, harmonia (o equilíbrio dos elementos em uma receita), tempero e sensação final, que condensa impressões acerca dos quesitos anteriores.

É o histórico dessas avaliações que definirá a classificação dos bares, restaurantes e endereços de comidinhas nas listas do Guia Garfo de Ouro. A classificação é por estrelas e pode variar de uma a cinco estrelas.

Pela experiência, eu suspeito de um cliente específico que sozinho pediu cinco pratos, o que é muito incomum. Mas não posso afirmar nada, já que não é feita nenhuma identificação por parte do avaliador, seja prévia ou posterior”, comenta o chef.

Conheça a trajetória do chef do restaurante indicado no Guia Garfo de Ouro

Danilo Zequini Abrantes se formou em Gastronomia pela UniMAX em 2018. Ele também realizou diversas especializações com destaque para Processos e fluxogramas (BPM – Business Process Management), Barista e Mestre Cervejeiro.

Estou há sete anos trabalhando com Gastronomia. Logo em meu segundo mês de curso, já tive contato com profissionais da área e pude começar a trabalhar como auxiliar de cozinha para o Flávio do Bacon Artesanal, hoje proprietário de uma hamburgueria na Av. Itororó chamada Bacon Republic”, conta o chef.

A partir disso, Danilo conta que nunca mais parou de trabalhar com alimentos e bebidas. “Até então, eu não tinha consciência, mas é uma área que eu amo, sinto orgulho em poder fazer e nunca me canso”, afirma.

Ele trabalhou em restaurantes conceituados de Indaiatuba como Triskell e Amadeu. Danilo chefiou, ainda, o Passionata (fechado atualmente) e o The Hops Tap House.

Também passei por várias áreas da gastronomia, como bar, cafeteria, cachaçaria, restaurante self-service e à la carte, catering, buffet, eventos, copa, pizzaria, padaria e delivery, ora autônomo, ora contratado. E sempre mantive dois empregos, pelo menos, desde quando comecei a trabalhar nesta área”, ressalta.

A escolha pela Gastronomia

Gastronomia foi minha quarta faculdade. Anteriormente já havia feito Marketing pela UniMAX, Gestão Empresarial pela FATEC e a primeira foi de Matemática Aplicada à Negócios pela USP de Ribeirão Preto, sendo que esta primeira eu precisei abandonar na metade por dificuldades pessoais àquela época”, salienta o chef. 

E Danilo acrescenta: “Eu havia acabado de retornar de Roraima e estava com dificuldades de me reposicionar no mercado, então pensei em fazer algum tipo de curso para entrar em contato com o mercado. Meus amigos sugeriram que eu fosse cozinheiro, pois eu sempre gostei de ficar com a barriga no fogo e a faca na mão, sempre assumindo a churrasqueira e usando-os como cobaias das minhas criações aleatórias (risos)”.

A escolha pela Gastronomia da UniMAX

Danilo enfatiza que escolheu estudar na UniMAX, pois o curso de Gastronomia estava entre os top 5 do país e  está localizada em Indaiatuba, onde já residia.

Ele também destaca que a instituição contribuiu para sua recente conquista. “Professores maravilhosos que foram, de longe, o melhor do curso. Não somente os específicos de cozinha, mas também os de segurança do trabalho, leis e regras da Anvisa e afins, como marketing e vendas, além de todas as outras áreas de conhecimento abordadas no curso. Sou e serei eternamente grato pelo trabalho maravilhoso dessas pessoas grandiosas”, conclui.

Foto: da esquerda para a direita: Kátia – proprietária, Matheus – proprietário e Danilo – Chef executivo.

Crédito: Arquivo Pessoal

Pular para o conteúdo