Alunos da FAAGROH estagiam em centro avançado de pesquisa em tecnologias de produtos biológicos

O estágio acontece na Estação Experimental Bio Oracle, um centro avançado de pesquisa em tecnologias de produtos biológicos, que pertence à Biotrop, empresa brasileira de soluções naturais e biológicas

Nove estudantes dos cursos de Engenharia Agronômica e do Superior em Horticultura da FAAGROH (Grupo UniEduK) estagiam, na Estação Experimental Bio Oracle, um centro avançado de pesquisa em tecnologias de produtos biológicos destinados ao setor agrícola. 

“São jovens com muita sede de conhecimento e interesse em biológicos. Aceitaram um desafio que será orquestrado durante um ano. Eles atuarão nos ensaios de campo, casas de vegetação e receberão quinzenalmente aulas teóricas sobre temas relacionados ao agro e sobre instalação de ensaios”, explica o coordenador da estação experimental, Johnny Martini. 

A Estação, recém-inaugurada, fica na divisa de Jaguariúna e Santo Antônio de Posse e pertence à Biotrop, empresa brasileira de soluções naturais e biológicas, que tem por finalidade contribuir para uma agricultura mais sustentável, saudável e regenerativa.

 

Estagiários do centro avançado de pesquisa em tecnologias de produtos biológicos

Izabela da Silva Maldonado, do sexto semestre de Engenharia Agronômica, é uma das nove selecionadas e conta que ficou sabendo da vaga de estágio pela própria empresa, que esteve na faculdade.

“A FAAGROH abriu as portas para a conquista da vaga. Foi uma grande oportunidade para nós, é incrível a iniciativa da própria empresa vir na faculdade apresentar o projeto e dar oportunidades para todas as pessoas em todos os semestres”, destaca a aluna. 

A estudante revela que sua expectativa é grande. “Está sendo o divisor de águas na minha vida. É o meu primeiro emprego na área e está sendo de grande importância esta vivência e experiência. Está sendo sensacional, principalmente, pois todos os colaboradores da empresa sempre buscam nos ensinar na prática como as coisas funcionam. Acredito que, a partir deste estágio, muitas portas se abrirão”, diz.

Alex Silva, do segundo semestre de Engenharia Agronômica, soube da vaga por meio de uma mensagem whatsapp de sua sala e conta que o processo de seleção foi bem dinâmico, sendo uma entrevista em grupo com alguns desafios relacionados à área de atuação da vaga. 

“A FAAGROH contribuiu muito para o sucesso na entrevista, alguns conceitos necessários foram apresentados em algumas aulas na faculdade, além de ter tido uma palestra da empresa Biotrop anteriormente na Faculdade”, menciona. 

O aluno salienta que as expectativas são as melhores possíveis. “Logo de cara, já é perceptível o horizonte de crescimento tanto profissionalmente quanto academicamente, já que o estágio e a graduação se complementam”, ressalta. “Vejo esta experiência de estágio como um pilar do meu futuro, além de ser uma área com grande horizonte de crescimento  ainda tem um impacto ambiental positivo”, completa.

Do mesmo curso, a aluna do quarto semestre, Isadora Amalfi de Souza Pinto, também conta como o aprendizado contribuiu para a conquista da vaga. “A FAAGROH tem um curso completo com várias aulas práticas e nos incentiva em várias matérias, desde o primeiro semestre, a montar miniensaios para avaliarmos algum tipo de condição, trazendo uma boa noção sobre como realizar um ensaio e ajudando a pensar quando nos depararmos com uma situação nova”, frisa. 

“Sobre o estágio, eu espero aprender bastante e desenvolver áreas que talvez não tenhamos tempo de desenvolver só na faculdade e que são o objetivo do estágio obrigatório, além de conhecer mais sobre a área de pesquisa e aprender na prática sobre um assunto tão importante hoje em dia que são os biológicos”, prevê a aluna. 

Por fim, ela expõe sobre a importância desse estágio para seu futuro profissional. “Acredito que esse estágio pode abrir portas para um novo mundo, é uma oportunidade de adquirir experiências práticas que as pessoas normalmente não têm, conhecimento em uma área que tem falta de profissionais qualificados no mercado por ter uma alta demanda e estar crescendo de forma tão rápida”, conclui Isadora.

Pular para o conteúdo