A imagem mostra a professora Aline Ambrogi que contribuiu com o Tudo ep

Grupo UniEduK contribui com o Portal Tudo ep ligado à CBN e ACidade ON

O tudo ep é um portal de notícias com conteúdo jornalístico produzido, principalmente pelo ACidade ON e CBN. A médica-veterinária e docente do curso de Medicina Veterinária do Grupo UniEduK, Dra. Aline Ambrogi Franco Prado, falou sobre passeio saudável com pets

Confira o texto da coluna Tudo Pets do Portal Tudo ep na íntegra:

Vai passear com o seu pet? Veja dicas para tornar o passeio saudável

Especialista explica os cuidados necessários para que a atividade seja prazerosa para seu animal de estimação

O passeio na rua com o seu pet pode ser uma experiência agradável e saudável. Mas, alguns cuidados precisam ser levados em conta para a melhor experiência possível. É preciso levar em consideração o clima, horário e tempo de passeio.

De acordo com a médica-veterinária e docente do curso de Medicina Veterinária do Grupo UniEduK, Dra. Aline Ambrogi Franco Prado, o primeiro fator a ser levado em consideração é quanto ao horário de passeio do animal. Ela ressalta que o momento de lazer é indispensável para o cãozinho, porém não pode ser feito a qualquer hora do dia.

“Os passeios devem fazer parte da rotina diária do animal, pois evitam o acúmulo de energia que podem desencadear num ciclo de estresse e ansiedade. Entretanto, principalmente nesse período de calor, o cuidado deve ser redobrado. O ideal é evitar horários entre 10h e 16h, dando preferência para o início da manhã e fim de tarde”, explica. “É preciso ainda ter bom senso na escolha do ambiente, evitando áreas asfaltadas, calçadas cimentadas e até mesmo areia da praia em períodos quentes.”

Aline ressalta que passear com o cãozinho em horários de muito sol é um grande risco para a saúde do animal, podendo desenvolver doenças como hipertermia maligna e até câncer de pele.

“A hipertermia ocorre quando a temperatura corporal do animal chega a mais de 40 graus em um curto espaço de tempo e pode ocorrer em animais expostos a calor intenso. Os animais dissipam o calor corporal pela respiração, por isso ficam ofegantes e com a língua para fora quando estão com calor. Deste modo, animais braquicefalicos (com focinho achatados) sofrem mais com esse tipo de problema, podendo levá-lo à morte”, explica.

“Já os cães de pele branca são os que devem tomar mais cuidado com a exposição do sol, devido ao câncer de pele. Raças como pitbull e boxer são predispostas a este tipo de patologia. Entretanto, qualquer animal pode ser acometido pela doença. O mais importante é ficar atento e sempre levá-lo ao médico-veterinário para avaliação, caso apareça alguma alteração na pele do seu animal”, complementa Aline.

A exposição ao sol e ao piso quente em horários inapropriados pode ainda queimar facilmente as patinhas do cachorro.

“A patinhas dos cães possuem umas almofadinhas, conhecidas como coxins, que servem de proteção e podem sofrer queimaduras sérias com o calor”, alerta Aline. “Por isso, sempre que for passear com o animal, certifique-se sobre a temperatura do piso. Coloque a mão no chão por 30 segundos e se sentir que está muito quente, certamente saberá que não é uma boa hora para passeio”, alerta a médica-veterinária.

 

DICAS DE PASSEIO SAUDÁVEL AO PET

– Quantas horas por dia deve ocorrer o passeio?

Segundo a médica-veterinária do Grupo UniEduK, essa é uma questão que depende de vários fatores. “Animais mais velhos, por exemplo, podem fazer caminhadas diárias e curtas. Raças mais enérgicas e cães jovens podem passear até três vezes ao dia. Tudo depende do comportamento individual de cada cão”, salienta.

 

– A partir de qual idade o cãozinho já pode sair?

Os animais podem sair para passear somente quando terminarem o protocolo completo das vacinas que acaba por volta das 16 semanas de vida. Nessa idade, o animal precisa ter tomado pelo menos três doses da vacina múltipla e a da raiva. Outras vacinas também estão disponíveis, como a da gripe. Uma questão também importante é a vermifugação, que deve ser feita pelo menos duas doses até os quatro meses de vida.

 

– O ambiente precisa estar adequado

Os animais amam passear em locais ao ar livre, dê preferências em parques e praças. As caminhadas podem ser feitas ainda em pisos mais rústicos, estimulando o crescimento de uma pele mais grossa e menos sensível.

 

– O que não esquecer nesse passeio?

O principal, segundo Aline, são as guias do animal. “Nenhum cachorro deve passear sem controle de seu tutor, pois é arriscado tanto para o pet quanto para as pessoas”, alerta. “Vale a pena lembrar que algumas raças, como Pitbull e Rottweiler, precisam estar com focinheiras.”

 

Água, petiscos e brinquedos são bem-vindos

Segundo a médica-veterinária do Grupo UniEduK, nesse passeio é importante levar sempre um bebedouro portável. Se o momento de lazer for um pouco mais longo, ração e petiscos são bem-vindos. Brinquedos também podem ser interessantes para deixar o cãozinho mais distraído.

 

Fez, catou!  

Para deixar o ambiente sempre limpo e adequado para o passeio, é fundamental ter em mãos sempre um saquinho para pegar as fezes do animal.

Cachorro usa protetor solar?

A resposta é sim, mas a médica-veterinária alerta: não pode ser o mesmo utilizado pelos adultos! “O protetor solar é essencial para animais, principalmente os que possuem pelagem curta e branca. Em cães com a pelagem mais longa, o ideal é passar em áreas em que os pelos não protegem como pontinha do focinho, ponta da orelha e barriga”, salienta Aline. “Além do protetor, existem ainda roupinhas de cachorro com proteção para Raios UVA e UVB.”

 

Como saber se o pet está passando mal?

De acordo com a médica-veterinária do Grupo UniEduK, é preciso ficar atento as reações do animal. Ele pode ficar bastante ofegante, demonstrar cansaço, querer deitar-se no chão ou até mesmo levantar a patinha e mancar para evitar o piso quente. Eles podem ainda começar a lamber as patinhas e não deixar que o tutor chegue perto por estar com dor.

 

Há raças que podem sofrer mais com o calor?

Sim! Principalmente os cães que têm focinho mais achatados, casos das raças Shih Tzu, Pug, Bulldogue e American Bully.

 

Crédito: Portal Tudo ep – Tudo Pets

Pular para o conteúdo