A imagem mostra animais resultado de cruzamento de cães de raças diferentes

Grupo UniEduK explica sobre cruzamento de cães de raças diferentes

A médica-veterinária, Dra. Aline Ambrogi Franco Prado, docente do curso de Medicina Veterinária do Grupo UniEduK, falou sobre os cuidados e os problemas no cruzamento de cães de raças diferentes. Além disso, falou como evitar que isso aconteça. O texto foi publicado pelos portais Terra, MSN e Alto Astral

Confira o texto do Portal Terra, MSN e Alto Astral na íntegra:  

Cruzamento de cães de raças diferentes requer atenção; entenda

É comum encontrar relato nas redes sociais de cruzamentos por acidente entre cães diferentes; veja os perigos relacionados a isso

Se você costuma usar as redes sociais, então já deve ter visto notícias sobre pessoas que deixaram – por acidente ou não – cães de raças diferentes cruzarem, o que acaba resultando em um animalzinho híbrido. Isso é tão comum que algumas dessas “misturas” já têm até nomes, como é o caso dos Labradoodles (Labrador + Poodle) ou dos Puggles (Pug + Beagle).

Segundo a médica-veterinária Dra. Aline Ambrogi Franco Prado, a ideia de quem quer essas raças híbridas é perpetuar certas características de cada espécie. “O Cockapoo, por exemplo, é o resultado da cruza entre Cocker Spaniel e Poodle. Os animais nascem com uma pelagem muito bonita, encaracolada, e costumam ter as características dóceis das duas raças. O mesmo acontece com os Labradoodles, Labrador com Poodle, que resultam em cães de porte grande, pelos longos e fofos, e temperamento muito dócil”, explica.

Porém, antes de simplesmente deixar dois cães de raças diferentes cruzarem, é preciso muita atenção, viu? Afinal, não é qualquer combinação que pode ser feita sem causar danos ao animal que vai nascer. Por isso, segundo a especialista, a cautela é importantíssima nesse momento.

Cuidados e problemas com raças híbridas

Os cachorros híbridos são, em tese, sem raça definida (SRD). A diferença, segundo Dra. Aline, é que cães SRD são raças já misturadas e os híbridos são frutos de duas raças puras. Segundo a médica-veterinária e docente do curso de Medicina Veterinária da UniFAJ, do Grupo UniEduK, não há problemas em um cachorro ser híbrido, a não ser que esse cruzamento seja feito de forma que possa trazer problemas de saúde para o bichinho.

“Como a genética não é matemática, não sabemos quais características os filhotes irão herdar. Raças braquicefálicas precisam de cautela para que não nasçam filhotes em sofrimento pela dificuldade de respirar”, explica a profissional. Assim, é preciso sempre consultar um médico-veterinário para saber se é recomendável deixar duas raças específicas cruzarem ou não. Ele vai te ajudar a entender as predisposições que o filhote pode acabar tendo e fazer um bom acompanhamento para que o cruzamento ocorra da forma correta.

Sem esse acompanhamento de um profissional, há um grande perigo de o cãozinho que nascer ter mutações genéticas que podem fazer com que o animal sofra muito durante a vida ou até seja abandonado ao nascer.

Mas como evitar o cruzamento?

Considerando que você não queira que os seus cachorros cruzem, seja por problemas que os filhotes possam sofrer ou por outros motivos, o ideal, segundo a Dra. Aline, é a castração dos machos e das fêmeas.

De acordo com a médica-veterinária, essa medida é mais segura do que apenas separar os bichinhos durante o cio, por exemplo, já que nesse caso eles poderiam acabar cruzando se houvesse algum descuido dos tutores.

Crédito: Portal Terra, MSN e Alto Astral na íntegra: 

Pular para o conteúdo