A imagem mostra a professora Raquel de Toledo Camargo Ferraro na Academia Saltense de Letras.

Professora do Grupo UniEduK é nomeada pela Academia Saltense de Letras

A docente Raquel de Toledo Camargo Ferraro ocupa agora a cadeira número 28 da Academia Saltense de Letras, cujo patrono é Eça de Queiroz 

Em sessão solene ocorrida na Biblioteca Municipal de Salto, a professora do Grupo UniEduK, Raquel de Toledo Camargo Ferraro foi nomeada pela ASLE – Academia Saltense de Letras. A partir de então, a docente passou a ocupar a cadeira número 28, cujo patrono é o escritor Eça de Queiroz, tendo por principais obras “O crime do Padre Amaro” e “O Primo Basílio”.

Registro minha profunda gratidão a Rose Ferrari, que me honrou com o convite para fazer parte dessa academia. Ela me proporcionou uma das grandes emoções da minha vida. Obrigada, Rose, serei eternamente grata por isso. Agradeço a generosidade dos acadêmicos que votaram em apoio à minha candidatura, aceitando-me como companheira nesta casa.

Um abraço especial a todos os meus familiares, presentes e ausentes”, destacou Raquel durante a cerimônia. 

A docente conta que, anteriormente, a cadeira era ocupada pelo jornalista José Alcione Pereira, nome significativo na história do jornalismo de Salto. Já Raquel atuou em órgãos de imprensa na região e promoveu apresentações com grandes artistas. Atualmente, é professora universitária e considera como seu desafio despertar nos jovens o desejo de aprender.

Se tentasse me definir com uma única palavra, certamente usaria a expressão: privilegiada.

Tenho muitos privilégios na vida, o maior deles é ter nascido em uma família que sempre valorizou as artes e a cultura”, ressaltou a professora.

Entre diversas menções a membros de sua família que a incentivaram, Raquel finalizou falando sobre seu pai. “Deixei para falar do meu pai por último, 2021 é o ano do seu centenário, sinto estar homenageando e ocupando a cadeira que poderia pertencer  a ele, João Sebastião Ferraro, um grande incentivador da cultura e esporte saltense, um homem arrojado, à frente do seu tempo, amigo de todos e apaixonado pela cidade. Era um bom contador de histórias, com seu humor peculiar e coração gigante. Por tantas obras, meu pai deve ser imortalizado e será sempre homenageado por mim. Pai, essa cadeira é sua”, conclui. 

Pular para o conteúdo