Protetor solar em pets? Grupo UniEduK tira a dúvida em artigo do Portal Terra

A médica-veterinária do Grupo UniEduK, Ana Letícia Rubello, explicou à coluna Vida e Estilo do Portal Terra sobre o uso de protetor solar em pets

Confira o texto da coluna Vida e Estilo do Portal Terra na íntegra:

Pets precisam de protetor solar? Especialista responde

Assim como seres humanos, pets também precisam se proteger dos raios ultravioleta; veja como fazer isso

Especialmente no verão ou em dias mais quentes, o uso de protetor solar se torna imprescindível. E como nossos amigos de quatro patas estão sempre conosco, pode surgir a dúvida: afinal, pets também precisam de fotoproteção?

Mas a resposta é sim! A médica-veterinária Ana Letícia Rubello explica que, assim como seres humanos, os pets precisam sim se proteger dos raios ultravioleta. Isso porque, a falta de filtro solar pode aumentar significativamente o risco de dermatites actínias, lesões pré-cancerígenas e até quadro de câncer de pele.

Agora quando o assunto é o local da aplicação, existem regiões que precisam ser priorizadas. “Ele deve ser aplicado, principalmente, em regiões alopécicas (perda de pelos patológica, uma espécie de calvície canina) e onde há ausência ou redução de melanina (despigmentação)”, explica a especialista.

Além disso, regiões como o focinho, orelhas, barriga e regiões ao redor dos olhos também devem ter a aplicação do protetor solar.

Outra dúvida que também surge quando o assunto é proteção solar diz respeito ao produto. De acordo com a Dra. Ana Rubello, o ideal é não usar o protetor humano em pets, pois a fórmula pode conter componentes impróprios para uso em animais, podendo levar a quadros de intoxicação. “O recomendado é consultar um médico-veterinário e solicitar a formulação correta do protetor solar para o seu pet”, orienta a profissional.

 

Cuidados importantes para pets no verão

Durante o verão e em dias com temperaturas altas, é preciso aumentar a atenção com a hidratação dos pets. É importante também ter cuidado com a exposição a grandes esforços físicos, que podem levar a hipertermia (aumento de temperatura corpórea).

Nesse sentido, a recomendação da supervisora da Clínica de Pequenos Animais do Hospital Veterinário do Grupo UniEduK é que, durante os passeios com o pet, o tutor dê atenção às patinhas. Por isso, escolha sempre passear em horários mais amenos, além de checar também a temperatura do chão.

 

Crédito: Portal Terra

Pular para o conteúdo