Você viu? Grupo UniEduK fala sobre Diabetes em pets ao Lorena.R7

A médica-veterinária do Grupo UniEduK, Ana Cláudia Benzegen, contribuiu com o texto do site de notícias Lorena.R7. ASDB Notícias – A Serviço do Bem também compartilhou o artigo. O tema foi diabetes em pets (cães e gatos)

Confira o texto na íntegra:

DIABETES: SABIA COMO PREVENIR E IDENTIFICAR SINTOMAS NO SEU PET

Novembro Azul é celebrado o mês de conscientização para a prevenção da diabetes em humanos, mas não somos apenas nós humanos que sofremos com esta doença, cães e gatos também fazem parte deste grupo.

Novembro Azul é celebrado o mês de conscientização para a prevenção da diabetes em humanos, mas você sabia que não é apenas nós humanos que sofremos com essa doença? Os nossos pets infelizmente também estão expostos e muitas vezes não sabemos as causas e os sintomas.

A diabetes pode ocorrer não apenas em cães, mas nos felinos também independentemente da idade ou sexo do animal, ela relacionada a obesidade e sobrepeso dos animais e ao uso indiscriminado de medicamentos que aumentam o índice de glicose como: Glicocorticoides e progestagênios, afetando animais com idade entre 7 e 9 anos. Estudos afirmam que as fêmeas possuem o dobro da probabilidade de serem afetadas e raças como: Poodle mini, samoieda, pug, poodle toy e schnauzer têm maior predisposição para desenvolver a doença. Alguns sintomas comuns de serem observados são: Sede excessiva, perda de peso, aumento de apetite, cansaço e sedentarismo e maior frequência de vontade de urinar. Assim como em humanos, a doença não tem cura, mas possui tratamento e exige cuidados que irão proporcionar ao pet uma vida saudável e tranquila.

Segundo a médica-veterinária Dra. Ana Cláudia Bengezen e supervisora da Clínica de Pequenos Animais do Grupo UniEduK, em cães e gatos a doença impede que o organismo do animal produza insulina e se produzir a quantidade será insuficiente.

“A Diabetes mellitus é considerada a principal doença do pâncreas endócrino em cães, representada como um grupo de doenças metabólicas de múltiplas origens e caracterizada por hiperglicemia crônica, glicosúria e distúrbios no metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas, que surge como resultado de defeitos na secreção ou na ação da insulina, ou em ambos”, explica a Dra. Ana.

Assim como em humanos com essa deficiência e excesso de açúcar no sangue, o animal fica sem energia e propenso a sofrer uma série de complicações, caso não tenha o tratamento adequado que somente o médico veterinário saberá indicar, é necessário o acompanhamento regular com um especialista e exames de rotina para que seu pet fique saudável e não corra riscos.

 

Crédito: Lorena R7 e ASDB Notícias

Pular para o conteúdo